O que é SMT?

 

SMT (Systemic Manual Therapy) é uma técnica proveniente da Osteopatia que tem como principal objetivo avaliar e tratar as disfunções que ocasionam dores nos pacientes. Osteopatia foi o nome dado por A.T. Still, a partir do raciocínio de que o osso (Osteon) é o ponto de partida para determinar as causas de um estado patológico.

O ponto chave da técnica é sua atuação extremamente gentil, sempre buscando durante a terapia, posições de máximo conforto evitando dores e movimentos bruscos.

O princípio por trás do SMT é a idéia de que o corpo é uma unidade integrada e indivisível, e possui mecanismos de auto-cura que são estimulados no tratamento. Fatores psicológicos e sociais também interferem no processo de diagnóstico do paciente.

Muitas das disfunções causadas no corpo podem ser observadas por um desequilíbrio do Sistema Nervoso Autônomo, e como seu próprio nome diz, é um sistema que não podemos comandar conscientemente.

Esse sistema é formado por vísceras e está conectado por fascias e ligamentos que além de manter os orgãos ligados, também os conectam aos músculos, tendões, ossos, ligamentos e outras áreas que podem entrar em disfunção.

Sabe-se que a fáscia de fato, é contrátil. O processo inflamatório causado por uma víscera, como por exemplo uma infecção urinária, leva a uma irritação de receptores encontrados na matriz celular da fáscia fazendo com que ela se contraia e tracione estruturas em sua volta causando disfunções autonômicas e músculo-esqueléticas.

Através de técnicas manuais e de posicionamento corpóreo que o SMT preconiza, consegue-se uma mobilização do fluxo de sangue de maneira ordenada na região onde encontra-se o processo inflamatório, espasmo muscular de proteção, e contração de fáscia, levando a maior nutrição, oxigenação e diluição da acidez metabólica causada pelo processo inflamatório, e com isso eliminando a fonte da disfunção.

Portanto, essa visão sistêmica torna o SMT uma das técnicas mais completas para um diagnóstico disfuncional preciso e um tratamento eficiente.

Desenvolvida pelo DPT (Doctor in Physical Therapy) Israelense Adi Halili radicado nos EUA, que cansado da fisioterapia convencional e dos resultados inconsistentes obtidos, Doctor Halili inovou e arriscou na integração de algumas técnicas desenvolvidas por renomados Osteopatas e Fisioterapeutas, como por exemplo:

Andrew Taylor Still

  • Primeiro homem na América a colocar o estudo da disfunção da articulação em base científica.
  • Em sua época outros médicos não reconheceram seus estudos como beneficiais e o rejeitaram.
  • Após anos de frustração, Andrew fundou uma nova escola de medicina chamada Osteopathy.

Lawrence Jones – SCS (Strain Counterstrain)

  • Acredita que o “strain” (estiramento, tensão) causa algum tipo de desordem biomecânica articular.
  • SCS (estiramento contra estiramento) inibe as falsas mensagens de tensão-distensão contínua que surgem dos reflexos proprioceptivos. Essa inibição é alcançada através do encurtamento da musculatura que contém a mensagem falsa de tensão-distensão.

Sharon Weiselfish-Giammatteo – IMT (Integrative Manual Therapy)

  • Observa a freqüência de problemas relacionados ao Sistema Nervoso Autônomo, no qual age regulando o equilíbrio homeostático (temperatura corporal, ritmo cardíaco, sistema respiratório, sexual, função do intestino e bexiga) e como esses sistemas não recebem tratamento direto.
  • Relaciona as disfunções somáticas com o Sistema Nervoso Autônomo.
  • Embasados nos princípios de Jones, Frank Lowen e Sharon Gimmatteo desenvolveram um modelo de posições que controlam, e/ou inibem diferentes funções corpóreas.

 

systemic manual therapy

O que é SMT?

SMT é uma técnica que visa tratar as causas...

VEJA MAIS

Cursos

Os participantes serão instruídos a aplicar a técnica...

VEJA MAIS